Dilma, Aécio e Eduardo Campos – Violência (4/6)

Corrupção (e violência)
Quanto à Ficha Limpa (corrupção), “não se tem a ingenuidade de imaginar que eficiente arcabouço legal bastará para acabar com a corrupção (e violência) no Brasil. Há que se ter condições também para que as instituições funcionem na direção de assegurar o pleno atendimento ao anseio de limpeza ética (moral, social, espiritual) reclamado nos quatro cantos do país“.

Praga da corrupção faz mais do que tirar dinheiro da saúde, da educação, da segurança e dos transportes, para citar quatro áreas essenciais da administração pública, que mais de perto afligem os direitos do cidadão. Ela também violenta a iniciativa privada. Ao encarecer o investimento, com a propina acrescentada ao orçamento das obras, rouba a competitividade do empresariado, desestimula os negócios, reduz a oferta de empregos“.

Para tais limpezas: ética, moral, social e espiritual, o eleitor precisa, pois, estar muito consciente do voto que depositará nas urnas, em cada pleito na política nacional, estadual ou municipal — do presidente da República, dos governadores, dos prefeitos, dos senadores, dos deputados e dos vereadores, em cada eleição.

1/6 – Números 7 e 13 no desastre com Eduardo Campos
2/6 – O mártir da política nos números
3/6 – O resgate da afetividade familiar
4/6 – Corrupção e violência
5/6 – Libertando da crise de caráter
6/6 – A conclusão

3 comentários sobre “Dilma, Aécio e Eduardo Campos – Violência (4/6)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *